terça-feira, 2 de setembro de 2014

PEC CONTRA.

A proposta de emenda à Constituição 26/14 (PEC 26/2014) de iniciativa do senador Jorge Viana (PT/AC) pretende restringir a atuação de advogados públicos na advocacia, pressupondo a utilização de informações estratégicas dos entes públicos para satisfazer interesses privados e invocando aleatoriamente o princípio da moralidade.

Os advogados públicos são advogados inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil e não poderia ser diferente. Como advogados, são indispensáveis, invioláveis e independentes para a realização da importante função social que o ordenamento jurídico lhes confere, para promover a orientação jurídica, que garante a continuidade e a segurança na esfera das relações com a Administração Pública, e a defesa do patrimônio público, em juízo ou fora dele.

Invocar aleatoriamente o princípio da moralidade, sem trazer um único caso concreto ou a comprovação da desnaturação completa dos valores profissionais no campo da Advocacia Pública, reduz toda a argumentação da PEC 26 ao absurdo de por deliberadamente em dúvida a dignidade de carreiras que contam com valores institucionais de mais de 50 anos e que jamais foram questionados em nível tão baixo. 

Como dito pelo professor Diogo de Figueiredo Moreira Neto, fundamentar uma alteração constitucional como a proposta pelo senador Jorge Viana, indubitavelmente, sobre um argumento ad terrorem de que o advogado público pretenda, neste estágio da história, valer-se dos conhecimentos que detém em razão de suas funções públicas para obter vantagens na advocacia privada, “veicula uma acusação gratuita e infeliz, um injusto baldão que atinge a todos os advogados públicos do país, desse modo postos sob essa absurda suspeição”.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

O QUE PODE E O QUE NÃO PODE NA PROPAGANDA ELEITORAL ?

HUMOR OU REALIDADE ??

Novidade no galinheiro.

Chegando numa casa investigada como ponto de vendas de drogas em Canoas/RS, a polícia prendeu um homem por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo. 

Ao consultar o nome dele no sistema, soube-se que cumpria pena no regime semiaberto e deveria estar usando tornozeleira eletrônica. 

Após as buscas pelo equipamento, a surpresa : a pulseira estava pendurada no pescoço de um galo encontrado nos fundos da casa. 

Informação jornal Zero Hora.


domingo, 31 de agosto de 2014

O diamante rosa.


Um diamante rosa está encabeçando as vendas de outono e deve tornar uma das jóias mais valiosas já vendidas.

Enquanto os preços de diamantes brancos se estabilizou nos últimos anos, o interesse crescente em seus primos coloridos - muito mais raros - tem impulsionado os preços a níveis recorde. 

A expectativa da Sotheby é que o diamante sofisticado de 8,41 quilates traga entre US$12,8 milhões e US$ 15,4 milhões no leilão marcado para o dia sete de outubro. 


sábado, 30 de agosto de 2014

Datafolha mostra Dilma e Marina empatadas.

29/08/2014 20h26 - Atualizado em 30/08/2014 07h54

Pesquisa Datafolha sobre a corrida presidencial, divulgada nesta sexta-feira (29), indica uma situação de empate entre a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, e a ex-senadora Marina Silva, candidata do PSB. Cada uma aparece com 34% das intenções de voto. 


A seguir, vem o senador Aécio Neves (PSDB), com 15%. 


Na pesquisa anterior do Datafolha, divulgada no último dia 18, Dilma tinha 36%, Marina, 21% e Aécio, 20%.

Na simulação de segundo turno entre Dilma e Marina, a ex-senadora alcançou 50% contra 40% da presidente. Na pesquisa anterior, Marina tinha 47% e Dilma, 43%.

HUMOR.



Quando o farmacêutico diz: 
"este medicamento provoca uma certa sonolência", 

eu já tomo o remédio deitado na cama.

Por Fernando Magalhães Alves

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Romário à frente no RJ na disputa pelo Senado, diz Datafolha.

Do  G1  Rio

Pesquisa Datafolha realizada com eleitores do Rio de Janeiro entre 12 e 13 de agosto mostra que Romário mantém a liderança na disputa por uma vaga no Senado com 29% das intenções de voto. 

Na pesquisa divulgada na sexta-feira (15) Cesar Maia (DEM) tem 23% e Eduardo Serra (PCB), 8%. Carlos Lupi, do PDT, tem 5% das intenções de voto. 

Na mesma pesquisa Anthony Garotinho (PR) lidera a disputa ao governo do Rio de Janeiro
O ex-governador fluminense aparece com 25% das intenções de voto. No levantamento de julho, o percentual era de 24%.  Em segundo lugar, com 18% da preferência eleitoral, aparece o senador Marcelo Crivella (PRB) que, por conta da margem de erro de três pontos porcentuais para mais ou para menos, está tecnicamente empatado com o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que teve 16% das intenções de voto. Crivella caiu seis pontos porcentuais em relação ao último levantamento. Pezão subiu dois. Em quarto lugar na disputa aparece o senador Lindbergh Farias (PT), com os mesmos 12% de intenções de voto apontados na pesquisa anterior. Tarcisio Motta (PSOL), Dayse Oliveira (PSTU) e Ney Nunes (PCB) têm 1% cada um. Brancos e nulos somaram 17% e outros 10% não sabem ou não opinaram. 
Se houvesse hoje um segundo turno entre Garotinho e Crivella, o senador venceria com 44%, contra 32% do ex-governador.
A pesquisa do Datafolha foi realizada com 1.317 eleitores em 31 cidades do Estado do Rio. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com os números RJ-00019/2014 e BR-00362/2014. 

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Quem tem medo de Marina?

Uma vez, Marina escreveu um artigo para a imprensa chamado “O improvável e o imprevisível”. 

Um título quase premonitório. Foi seis anos atrás, ela ainda estava no PT. Citava várias vezes a filósofa alemã Hannah Arendt para criticar a arrogância dos partidos, que se consideram donos da energia política da sociedade. 


Eis um trecho, editado:



“O sentido da política é a liberdade. Os cidadãos e cidadãs estão criando uma política livre, viva, na academia, nos movimentos culturais, no consumo consciente, na internet, nas empresas, nas ONGs, nas igrejas. O grande desafio da democracia é criar espaços múltiplos de participação política, nos quais os partidos sejam parceiros e não guias. Os homens, enquanto puderem agir, são aptos a realizar o improvável e o imprevisível. É o que a sociedade brasileira está fazendo. E os partidos ainda não se tocaram”.

Marina escreveu isso em 2008. 


Por que será mesmo que tem tanta gente com medo dela?

Fonte: Revista Época.
Por: Ruth de Aquino

quarta-feira, 27 de agosto de 2014

Depois de lesão na mão direita, Adriana Calcanhotto volta aos palcos.

  •  
Adriana Calcanhotto - cantora volta aos palcos com banquinho e violão (Foto: Divulgação)







A
Adriana Calcanhotto estreou no Circuito Sesc de Música com o show Olhos de Onda, na terça-feira (19), no Teatro Sesc Ginástico, no Rio. Uma ótima pedida pra quem pode ir a cidade maravilhosa ate dezembro. 
Depois de tempos sem tocar violão - por causa de uma lesão na mão direita - Adriana retorna aos palcos atracada ao instrumento e sentada num banquinho. 
"No meu ofício, quem comanda são as canções. Sou levada por elas e nunca tenho a pretensão de seguir um repertório", afirma a cantora. 
Olhos de Onda nasceu de um convite para cantar em Lisboa, em formato solo, nas comemorações da casa onde Adriana havia se apresentado há 20 anos em terras lusitanas. 
Calcanhotto homenageia no show os 40 anos sem o mestre Pixinguinha, toca clássicos da MPB e muitas outras surpresas.

terça-feira, 26 de agosto de 2014

A URNA PRA VOCÊ.

Nas eleições de 2014, o eleitor votará em candidatos para cinco cargos: presidente, governador, senador, deputado federal e deputado estadual (ou distrital, no caso do DF).
Antes do voto, o eleitor precisa apresentar na seção eleitoral um documento com foto e colocar a digital (no caso do voto biométrico) ou assinar a lista.
Na urna, antes de confirmar o voto, é preciso checar se o número digitado e a foto estão corretos. É permitido levar um papel com os números de cada candidato, a chamada "cola".
Teste o simulador oficial do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).  


Só clicar



A ordem de votação é a seguinte:
- DEPUTADO ESTADUAL OU DISTRITAL (cinco dígitos)

- DEPUTADO FEDERAL (quatro dígitos)

- SENADOR (três dígitos) - as fotos dos dois suplentes também aparecem na tela
- GOVERNADOR (dois dígitos) - a foto do vice também aparece na tela
- PRESIDENTE (dois dígitos) - a foto do vice também aparece na tela