quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Sabe aquela parábola do bode na sala?

O pai trabalhador que passava necessidade com a família, uma casa muito apertada, sem nenhum conforto, que pediu ajuda do político e este o mandou colocar um bode na sala e voltasse após uma semana. 

Quando voltou, pediu “pelo amor de Deus, tá muito pior e coisa e tal, o que eu faço”? 

E o político então mandou que ele tirasse o bode da sala e voltasse em mais uma semana. 

Aí, então, que maravilha! Que conforto! Como a casa ficou espaçosa, confortável, cheirosa!.

E viveram felizes e agradecidos ao ‘santo político’ que resolveu seu problema de moradia. 

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

terça-feira, 2 de setembro de 2014

PEC CONTRA.

A proposta de emenda à Constituição 26/14 (PEC 26/2014) de iniciativa do senador Jorge Viana (PT/AC) pretende restringir a atuação de advogados públicos na advocacia, pressupondo a utilização de informações estratégicas dos entes públicos para satisfazer interesses privados e invocando aleatoriamente o princípio da moralidade.

Os advogados públicos são advogados inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil e não poderia ser diferente. Como advogados, são indispensáveis, invioláveis e independentes para a realização da importante função social que o ordenamento jurídico lhes confere, para promover a orientação jurídica, que garante a continuidade e a segurança na esfera das relações com a Administração Pública, e a defesa do patrimônio público, em juízo ou fora dele.

Invocar aleatoriamente o princípio da moralidade, sem trazer um único caso concreto ou a comprovação da desnaturação completa dos valores profissionais no campo da Advocacia Pública, reduz toda a argumentação da PEC 26 ao absurdo de por deliberadamente em dúvida a dignidade de carreiras que contam com valores institucionais de mais de 50 anos e que jamais foram questionados em nível tão baixo. 

Como dito pelo professor Diogo de Figueiredo Moreira Neto, fundamentar uma alteração constitucional como a proposta pelo senador Jorge Viana, indubitavelmente, sobre um argumento ad terrorem de que o advogado público pretenda, neste estágio da história, valer-se dos conhecimentos que detém em razão de suas funções públicas para obter vantagens na advocacia privada, “veicula uma acusação gratuita e infeliz, um injusto baldão que atinge a todos os advogados públicos do país, desse modo postos sob essa absurda suspeição”.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

O QUE PODE E O QUE NÃO PODE NA PROPAGANDA ELEITORAL ?

HUMOR OU REALIDADE ??

Novidade no galinheiro.

Chegando numa casa investigada como ponto de vendas de drogas em Canoas/RS, a polícia prendeu um homem por tráfico de drogas e posse ilegal de arma de fogo. 

Ao consultar o nome dele no sistema, soube-se que cumpria pena no regime semiaberto e deveria estar usando tornozeleira eletrônica. 

Após as buscas pelo equipamento, a surpresa : a pulseira estava pendurada no pescoço de um galo encontrado nos fundos da casa. 

Informação jornal Zero Hora.


domingo, 31 de agosto de 2014

O diamante rosa.


Um diamante rosa está encabeçando as vendas de outono e deve tornar uma das jóias mais valiosas já vendidas.

Enquanto os preços de diamantes brancos se estabilizou nos últimos anos, o interesse crescente em seus primos coloridos - muito mais raros - tem impulsionado os preços a níveis recorde. 

A expectativa da Sotheby é que o diamante sofisticado de 8,41 quilates traga entre US$12,8 milhões e US$ 15,4 milhões no leilão marcado para o dia sete de outubro. 


sábado, 30 de agosto de 2014

Datafolha mostra Dilma e Marina empatadas.

29/08/2014 20h26 - Atualizado em 30/08/2014 07h54

Pesquisa Datafolha sobre a corrida presidencial, divulgada nesta sexta-feira (29), indica uma situação de empate entre a presidente Dilma Rousseff (PT), candidata à reeleição, e a ex-senadora Marina Silva, candidata do PSB. Cada uma aparece com 34% das intenções de voto. 


A seguir, vem o senador Aécio Neves (PSDB), com 15%. 


Na pesquisa anterior do Datafolha, divulgada no último dia 18, Dilma tinha 36%, Marina, 21% e Aécio, 20%.

Na simulação de segundo turno entre Dilma e Marina, a ex-senadora alcançou 50% contra 40% da presidente. Na pesquisa anterior, Marina tinha 47% e Dilma, 43%.

HUMOR.



Quando o farmacêutico diz: 
"este medicamento provoca uma certa sonolência", 

eu já tomo o remédio deitado na cama.

Por Fernando Magalhães Alves

sexta-feira, 29 de agosto de 2014

Romário à frente no RJ na disputa pelo Senado, diz Datafolha.

Do  G1  Rio

Pesquisa Datafolha realizada com eleitores do Rio de Janeiro entre 12 e 13 de agosto mostra que Romário mantém a liderança na disputa por uma vaga no Senado com 29% das intenções de voto. 

Na pesquisa divulgada na sexta-feira (15) Cesar Maia (DEM) tem 23% e Eduardo Serra (PCB), 8%. Carlos Lupi, do PDT, tem 5% das intenções de voto. 

Na mesma pesquisa Anthony Garotinho (PR) lidera a disputa ao governo do Rio de Janeiro
O ex-governador fluminense aparece com 25% das intenções de voto. No levantamento de julho, o percentual era de 24%.  Em segundo lugar, com 18% da preferência eleitoral, aparece o senador Marcelo Crivella (PRB) que, por conta da margem de erro de três pontos porcentuais para mais ou para menos, está tecnicamente empatado com o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que teve 16% das intenções de voto. Crivella caiu seis pontos porcentuais em relação ao último levantamento. Pezão subiu dois. Em quarto lugar na disputa aparece o senador Lindbergh Farias (PT), com os mesmos 12% de intenções de voto apontados na pesquisa anterior. Tarcisio Motta (PSOL), Dayse Oliveira (PSTU) e Ney Nunes (PCB) têm 1% cada um. Brancos e nulos somaram 17% e outros 10% não sabem ou não opinaram. 
Se houvesse hoje um segundo turno entre Garotinho e Crivella, o senador venceria com 44%, contra 32% do ex-governador.
A pesquisa do Datafolha foi realizada com 1.317 eleitores em 31 cidades do Estado do Rio. A margem de erro é de três pontos percentuais para mais ou para menos. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral com os números RJ-00019/2014 e BR-00362/2014. 

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Quem tem medo de Marina?

Uma vez, Marina escreveu um artigo para a imprensa chamado “O improvável e o imprevisível”. 

Um título quase premonitório. Foi seis anos atrás, ela ainda estava no PT. Citava várias vezes a filósofa alemã Hannah Arendt para criticar a arrogância dos partidos, que se consideram donos da energia política da sociedade. 


Eis um trecho, editado:



“O sentido da política é a liberdade. Os cidadãos e cidadãs estão criando uma política livre, viva, na academia, nos movimentos culturais, no consumo consciente, na internet, nas empresas, nas ONGs, nas igrejas. O grande desafio da democracia é criar espaços múltiplos de participação política, nos quais os partidos sejam parceiros e não guias. Os homens, enquanto puderem agir, são aptos a realizar o improvável e o imprevisível. É o que a sociedade brasileira está fazendo. E os partidos ainda não se tocaram”.

Marina escreveu isso em 2008. 


Por que será mesmo que tem tanta gente com medo dela?

Fonte: Revista Época.
Por: Ruth de Aquino