Este blog tem por objetivo apresentar fatos sob a ótica de seu idealizador, permitindo a todos um espaço para livre manifestação de pensamento.

terça-feira, 5 de setembro de 2017

A imoralidade de uma decisão judicial.

Juiz fixa honorários de R$ 7 em ação procedente sobre inexistência de débito

Em uma ação declaratória de inexistência de débito, à qual se atribuiu o valor de R$ 34,99, o juiz de Direito Paulo de Tarso Carpena Lopes, de Alto Petrópolis/RS, fixou honorários de 20% sobre o valor da ação, algo em torno de R$ 7.

No caso, a parte autora narrou que tem um celular no plano pré-pago da Claro, e a empresa entrou em contato com o intuito de lhe oferecer a mudança de plano para pós-pago, o que não quis.  Porém, tempos depois, recebeu uma fatura telefônica para pagamento (plano pós-pago) referente ao mesmo telefone. Sem conseguir resolver o problema diretamente com a empresa, requereu a procedência do pedido para declarar inexistente o débito que originou a cobrança, bem como para que seja mantida a conta telefônica na modalidade pré-paga.

A ação foi julgada totalmente procedente:
O agir indevido da demandada se desvela plenamente afigurado, pois o demandante se desincumbiu de forma satisfatória de seu ônus probatório, trazendo aos autos comprovação de que se utilizada do plano pré-pago. Portanto, inviável que, na mesma época, tenha efetuado a recarga dos créditos se tinha pleno conhecimento de que sua conta seria pós-paga.”
Na sentença, a empresa foi condenada ao pagamento das custas processuais e honorários advocatícios que o juiz fixou em 20% do valor atualizado da causa - “considerando o trabalho efetuado pelo procurador da autora”.

Opinião do






Não quero nem argumentar se o valor foi justo, em relação ao valor da causa, mas sim o argumento do juiz quando fixou os honorários.

O Magistrado afirmou que considerou o "trabalho efetuado pelo procurador da parte autora".

“O magistrado fixou os honorários no percentual que entende ser suficiente para remunerar o profissional que atuou junto à causa, levando-se em conta o trabalho realizado. Caso o Procurador entenda não ser o valor devido, deverá buscar reforma mediante meios próprios."

Vergonhoso não é valor arbitrado, posto que o advogado trabalha na defesa do direito do cidadão e a sua remuneração é a honra do serviço bem prestado, mas vergonhosa foi a resposta do magistrado dizendo que R$ 7,00 é suficiente para remunerar o profissional.

Só tenho uma palavra para descrever a conduta do magistrado. INCOMPETÊNCIA. 
  • Processo: 0001042-46.2017.8.21.2001

Nenhum comentário: